10/03/2022 às 15h00min - Atualizada em 10/03/2022 às 15h00min

A discreta simplicidade da Bélgica

Julho 2015

Ralf Matavelli - Arquiteto e Urbanista
ralfmatavelli@hotmail.com
Ralf Matavelli e ao fundo o Atomium, um ícone da cidade de Bruxelas desde sua construção, em 1958, para a Feira Mundial
b
   Confesso ter negligenciado este país por várias vezes, sempre deixando-o de lado em minhas viagens. Talvez a pouca expectativa inicial tenha sido responsável pela grande surpresa ao conhecer a pequena e notável Bélgica.
   Gostei de Antuérpia assim, tipo paixão à primeira vista. Cidade vibrante e de astral moderno, porém aconchegante e rica em história. A cidade se desenvolveu ao longo dos séculos devido a sua importante posição portuária, e também ficou conhecida mundialmente como centro de lapidação de diamantes.
  
   No Centro Histórico, impecavelmente intacto, a Catedral Gótica de Notre-Dame - maior templo da Bélgica -, é presença dominante entre o casario em estilo “flandres”. Os melhores chocolates e as melhores cervejas do mundo estão nas caprichadas vitrines das várias lojas, cafés e restaurantes espalhados ao redor da Catedral e Grand Place. Verdadeira tentação... Perto dali, na casa de Peter Paul Rubens, Rubenshuis, pode-se conhecer o atelier do mais famoso pintor flamenco e um pouco mais do cotidiano de uma casa no séc. XVII.
  
   A cidade vem passando, recentemente, por um processo de crescimento periférico, onde edifícios contemporâneos de design arrojado surgem nos arredores do Centro Histórico, mudando o “skyline” da cidade. O museu Aan de Stroom, inaugurado em 2011, com sua arquitetura “desconstrutivista”, virou visita obrigatória para quem passa por Antuérpia.
  
   A caminho de Bruxelas, a pequena cidade de Mechelen surpreende pela beleza de seu conjunto arquitetônico. Ali, no canto da histórica praça, em um pequeno bistrô, que infelizmente não me lembro o nome, um parpadelle com molho de funghi, acompanhado de uma cerveja local, “Corolus”, ficaram para sempre na história da minha memória gastronômica!
  
  Bruxelas, capital da Bélgica e da União Europeia, além de ser importante centro de política internacional, tem inúmeras opções culturais e de lazer. Os museus reais têm acervo fraco, mas geralmente as exposições temporárias valem a pena. O Musical Instrument Museum tem fachada “Art Noveau” que, por si só, já vale a visita.
   Tive a sorte de estar na cidade durante o Festival de Jazz, que acontece anualmente. A medieval Grand Place, Patrimônio Cultural da Unesco, se tornou um grande palco e ótimas bandas se apresentaram gratuitamente. O festival não acontece somente ali, mas também em vários outros pontos da cidade, onde a boa música brinda a chegada da primavera tão esperada pelos europeus.
  
   Fora do centro da cidade, o “Atomiun” é a torre Eiffel dos Belgas. Construído para a Expo 58, tem 103m de altura e representa um cristal elementar de ferro ampliado 165 mil vezes.
  
   Bruges, considerada a “Veneza do Norte”, assim chamada devido a seus inúmeros canais que a cercam, é uma linda cidade medieval, porém extremamente turística. Desde o ano 2000 todo seu centro Histórico é listado como Patrimônio Mundial da Unesco.
   A discreta simplicidade deste país, as cervejas, os chocolates e as belas e pulsantes cidades surpreendem e deixam saudades. A Bélgica pode estar meio de lado até no mapa... mas certamente não ficará de fora nos próximos roteiros.
 
 

 
 

 

*O Brand-News não se responsabiliza por artigos assinados por nossos colaboradores
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Precisa de ajuda?
Atendimento
Precisa de ajuda? Fale conosco pelo Whatsapp