23/02/2021 às 15h16min - Atualizada em 23/02/2021 às 15h16min

Havaí / Honolulu - uma jogada que deu certo!

Por Odair Camillo - Jornalista

Em fevereiro de 2001 estava na redação do jornal quando recebi um fax de Julio Guridi, então Diretor de Promoções do Oahu Visitors & Convention Bureau do Havaí, convidando-me a integrar um grupo de dez jornalistas internacionais de turismo para uma viagem a Honolulu, capital do Havaí. A finalidade era conhecer uma parte da história da cidade e daquela região norte-americana, inclusive visitar os bunkers, o navio naufragado na baia de Pearl Harbor, que no dia 7 de dezembro de 1941 foi atacada de surpresa pelos japoneses marcando a entrada dos americanos na Segunda Grande Guerra Mundial.
É evidente que adorei o convite. Conhecer o Havaí era tudo que sonhava. Mas ao reler o fax, verifiquei mais atentamente que o convite era endereçado somente a mim. 
No mesmo instante pensei como ficaria a Lurdinha, que sempre participava comigo nessas viagens internacionais. Seu sonho era também, acredito, muito maior que o meu. Ela já havia se manifestado a respeito de um dia conhecer Honolulu e assistir de perto à hula, a dança típica havaiana, antigo ritual religioso para homenagear os deuses, e participar de um luau, um bonito e tradicional banquete promovido pelos hotéis da ilha.
 
Um problema a ser resolvido
 
Bem, eu estava nesse momento com um grande problema a ser resolvido. Ou eu aceitava o convite do Julio como estava no documento, provocando uma situação de constrangimento e mágoa por parte de minha mulher pelo fato de ela não poder participar, ou eu tentaria, de alguma forma, incluí-la na viagem. Uma tarefa quase impossível!
Naquela dia nem pensei em responder o fax. Uma rápida resposta demonstraria que eu havia ficado deslumbrado em conhecer o Havaí.  “Vou responder amanhã. Quem sabe até lá eu possa achar uma solução”, pensei comigo.   
No dia seguinte eu já tinha a solução. Datilografei numa folha de papel timbrado do jornal, agradecendo sinceramente o convite, porém, pedindo desculpas por não aceitá-lo pelo fato de que eu somente viajava para minhas reportagens jornalísticas acompanhado de um fotógrafo, que no caso era minha esposa Lurdinha. Se ela pudesse viajar comigo, só assim eu aceitaria participar do fampress.  Até então eu não havia contado nada a Lurdinha.
Enviei a mensagem, e dali em diante passei a olhar frequentemente para o aparelho, na esperança de receber o sinal dando uma resposta positiva. E nada aconteceu naquele dia.
Passados três dias de uma espera ansiosa, na manhã seguinte o tão aguardado fax chegou, confirmando também o nome da Lurdinha para a viagem. Eu nem acreditei que a minha estratégia havia dado certo.  No texto, Guridi enfatizou que “seria um caso excepcional”. As instruções para a retirada dos bilhetes aéreos, bem como o voucher do hotel já estavam disponíveis na United Airlines, em São Paulo. “Desta, eu escapei”, pensei comigo. Também pudera! Eu havia sido escolhido o único jornalista brasileiro entre dezenas da grande imprensa, a participar com mais nove de outros países nessa viagem!
 
Arrumando as malas rumo a Honolulu
Bem. Nem é preciso contar a alegria de minha mulher ao saber que viajaríamos para o Havaí. Como de costume, ela já no dia seguinte procurou se informar sobre tudo que havia na famosa ilha americana, o que fazer e, naturalmente, o que comprar. Porém, desta vez ela foi advertida por mim que desta vez ela viajaria como fotógrafa e não como turista, acostumada que estava a frequentar os shoppings enquanto eu me dedicava a acompanhar um guia para conhecer, e depois escrever, sobre as atrações turísticas de cada destino.
Já no mesmo dia comecei a passar todas as informações que sabia e treiná-la na “arte” de fotografar e de filmar, emprestando-lhe minha câmera fotográfica Canon, bem superior àquela que estava acostumada a manusear, como também a filmadora Samsung, recentemente adquirida num shopping de Campinas.
Na data agendada, após quase 20 horas de voo, com escala em Los Angeles, chegamos ao Aeroporto Internacional de Honolulu. “Aloha”, disse ele, nos cumprimentando. Eu já havia sido informado que essa palavra da língua havaiana é usada como forma de saudação ou despedida, que significa “olá” ou “tchau”. Mas ela é muito mais envolvente. Tem o sentido de amor e hospitalidade.
Logo depois, ele nos conduziu à presença de um senhor que pronunciou o mesmo “aloha”, apertando nossas mãos.  Elegantemente trajado, ele era o motorista de uma limousine preta que estava a nossa espera, e que nos levaria ao Aston Hotel.
Pela primeira vez tivemos a oportunidade de andar naquele tipo de veículo, equipado com poltronas e mesa, tendo num compartimento ao lado, bebidas e um pequeno frigobar.
Diante dessa mordomia, nem me incomodei em apreciar as ruas e avenidas no trajeto, e em poucos minutos o motorista nos deixava na avenida Kalakaua, à frente do hotel.

Feito o check-in, fomos conduzidos à suíte do 35º andar do luxuoso edifício de onde se podia ver a famosa praia de Waikiki - a mais famosa do mundo feita pelo homem - que na época era o metro quadrado mais caro do planeta. Ao entrarmos, encontramos sobre uma mesinha da sala, uma caixa de bombons, muitas frutas e flores, e sobre a cama, um envelope com toda a programação do fampress.  Nele constava que, ainda naquela noite, participaríamos de um jantar no Royal Hawaiian Hotel, e no dia seguinte, apresentação para o início do evento.
 
Pearl Harbor - a entrada dos EUA na 2ª Guerra Mundial
 
Na manhã seguinte, o guia local nos levou numa van a Pearl Harbor, onde havia acontecido o ataque dos japoneses à frota americana 60 anos atrás. O ataque a Pearl Harbor foi uma operação aeronaval à base norte-americana efetuada pela Marinha Imperial Japonesa na ilha de Oahu, executado de surpresa contra a frota americana. O saldo do ataque foi cruel para os Estados Unidos: 11 navios e 188 aviões foram destruídos, deixando 2.403 militares e 68 civis mortos. Além disso, mais 159 aviões ficaram seriamente danificados e 1.178 pessoas feridas.
Atualmente, grande parte da base naval de Pearl Harbor é considerada como um ponto de interesse histórico, sendo que foi instalado um memorial sobre os destroços remanescentes do navio USS Arizona. Nesse memorial, há uma passarela com chão transparente que permite aos visitantes a visualização de diversos pontos da embarcação. Também é possível notar que mesmo várias décadas após o ataque, o óleo armazenado nos tanques do navio continua fluindo até a superfície, deixando uma leve mancha sobre a água.
 
Conhecendo o Jurassic Park e os bunkers do Havai
 
Honolulu fica localizada na ilha de Oahu, a maior e principal ilha do Havaí. No passado ela também ficou famosa por ser palco da realização de filmes importantes e que ficaram conhecidos mundialmente.
Numa das partes montanhosas da ilha, pudemos conhecer os locais usados na filmagem da série Jurassic Park - O Parque dos Dinossauros, do consagrado diretor Steven Spielberg. Em alguns pontos daquela área, estão ainda presentes os sinais das patas dos “dinossauros”.
 
Outro lugar inusitado que visitamos na ilha foram os “bunkers”, uma espécie de caverna cravada no chão e nos morros, construída com grossas paredes de concreto armado reforçado com uma malha de vergalhões de aço, capazes de aguentar a toda espécie de ataques de guerra e abalos sísmicos, feitos para manter a salvo seus ocupantes.
Num desses bunkers foi adaptado um interessante museu com uma grande coleção de objetos militares que contam a história da guerra, inclusive do ataque a Pearl Harbor. Num determinado setor do museu, pode-se ouvir as gravações originais, mensagens de rádio nos momentos do ataque à ilha.
 

 
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Precisa de ajuda?
Atendimento
Precisa de ajuda? Fale conosco pelo Whatsapp