17/12/2021 às 16h06min - Atualizada em 17/12/2021 às 16h06min

“Brincando de vaca amarela”

Por Odair Camillo - Jornalista
Ilustração: Reynaldo Alvim Prieto
,
Se não conhecesse a lisura, probidade e eficiência dos oficiais de justiça de nossa comarca, seria até capaz de jurar que existem vários cartões com o meu nome dentro da urna utilizada para a escolha do Conselho de Sentença.
 
Já tive a oportunidade de relatar anteriormente que tenho uma facilidade enorme para ser sorteado, não com prêmios, brindes e muito menos na loteria, principalmente quando faço parte dos 21 jurados que compõem o Tribunal do Júri. Infalivelmente, estou entre os sete.
E isto já foi motivo de, na crônica citada, contei tim tim por tim tim os lances do julgamento, coisa que não pretendo fazê-lo desta vez.
Primeiramente, porque nestes últimos em que participei, sinceramente, não foram júris tão importantes que tenham movimentado a opinião pública. Mesmo eu, leitor assíduo das crônicas policiais assinadas pelo Polli e atento ouvinte dos plantões das rádios locais, já nem me lembrava dos fatos que foram julgados, ambos acontecidos há mais de quatro anos.
Em segundo lugar, porque não houve um motivo interessante que pudesse justificar a minha não participação, ao contrário da última vez que, no mesmo horário estavam em campo europeu as Seleções do Brasil e da Inglaterra, naqueles bons tempos em que a equipe canarinho ainda sabia jogar futebol. E finalmente, porque de fato queria testar mais uma vez a minha sorte na malfadada urna. O que não deu outra coisa...
 
Mas às vezes chego a pensar que tanto o promotor quanto o meritíssimo juiz gostam de ver-me atuando como jurado. Realmente, eu não dou trabalho e não sou muito exigente. Contento-me em ser servido com água mineral com gás, cafezinho acompanhado de um sanduiche, de preferência de hora em hora, e no final dos trabalhos ser convidado para jantar num restaurante local. Enfim, ninguém é de ferro!
 
Agora, finalmente, essa tarefa quase que rotineira tem-me conduzido a uma análise do comportamento dos demais jurados, principalmente dos neófitos. Neste último júri, após nosso ingresso à sala secreta para a votação dos quesitos e, completamente incomunicáveis por determinação implícita de nossa consciência e reiterada pela solicitação do juiz, um deles foi incapaz de assinar a folha distribuída pelo oficial de justiça, tal a tensão emocional vivida naquele instante do julgamento, tendo eu sugerido a ele, através de gestos, naturalmente, e com ar de gozação, que a fizesse através da impressão digital de seu polegar direito, como o fazem aqueles que jamais entraram numa escola. Foi quebrada a tensão, com certeza.
 
Porém o mais interessante, porque não dizer humorístico, foram os momentos que antecederam a votação, quando foi-nos oferecido um lanche, até certo ponto com sabor de um jantar no Araújo, devido ao avançado da hora.
Juiz, promotores, advogados, oficiais de justiça, mais os sete jurados numa pequena sala, durante dez minutos, num silêncio estarrecedor, ouvindo-se única e exclusivamente o barulho dos maxilares empenhados no trabalho afoito de preparar o alimento para sua ingestão, e dos refrigerantes sendo absorvidos sofregamente por quase todos.
 
Contudo, sem nada poder dizer, recordei-me de uma das brincadeiras de infância em que, aquele que quebrasse o silêncio, teria que “supostamente” ingerir os excrementos da raça bovina. Entretanto, meu respeito às autoridade sobrepujou-se ao desejo e à minha audácia que, em outra ocasião, certamente não teria resistido e indagado ao juiz: “Afinal, meritíssimo, até parece que estamos brincando de vaca amarela!”
                             
Do livro “Crônicas em Concordata” - Setembro de 1984

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Precisa de ajuda?
Atendimento
Precisa de ajuda? Fale conosco pelo Whatsapp