14/03/2022 às 15h06min - Atualizada em 14/03/2022 às 15h06min

Molhai por nós

Jornalista, publicitário, escritor e professor universitário
wiliam.oliveira@uol.com.br
Figura meramente ilustrativa – Reprodução Google
c
Época das chuvas e ele sai apressado, por vezes, amassado, empoeirado, mineiramente esgalepado de dentro dos armários, dos guarda-trecos, por detrás das portas. Ninguém se lembrava mais dele, porém, quando a chuva aparece, uma pergunta também volta a aparecer no cotidiano: “Alguém viu meu guarda-chuva?”. Tá certo que muita gente, geralmente mais idosa, o tenha como companheiro nos dias muito ensolarados, mas, é quando os pingos caem que os guarda-chuvas saem.


Vale lembrar que o feminino do guarda-chuva é a sombrinha, ou, pelo menos, foi assim que aprendi. Aliás, por uma educação machista bem do interior mesmo, ou sei lá o que, sempre evitei sair com sombrinha pelas ruas. Veja só que bobagem: prefiro ficar molhado dos pés à cabeça, do que ser visto andando com uma sombrinha pelas ruas. Como diria Roberto Carlos e uma namoradinha de uma amiga minha, "nem mesmo sei o que eles vão pensar de mim”. Tenho ainda outras dúvidas sexuais pluviométricas: o guarda-chuva seria o marido da sombrinha? Ou seria um objeto andrógino ou hermafrodito? Será que é por isto que ele sai sempre do armário? O guarda-chuva fica molhado e a sombrinha molhadinha? (censurado)....


Meninos e meninas. Que fique claro como os dias de sol. Não tem nada a ver (nem a chover) homem que sai com sombrinha ou mulher que sai com guarda-chuva. É tudo uma questão de uma chuvinha por cima e, afinal, depois vem o arco-íris. (censurado 2). Enfim, enquanto muitos afirmam que a maior invenção de todos os tempos é a roda, ou mesmo o computador, penso que o guarda-chuva é que deve receber tal honraria. Afinal, ele superou qualquer previsão do tempo, já que sua existência, dizem, remonta 3.400 anos atrás na Mesopotâmia - e apesar de tanta evolução tecnológica, nunca foi substituído, nem ficou ultrapassado ou obsoleto. Um acessório tão simples, utilizado por todo o mundo, das classes mais simples às mais sofisticadas, pelas mais diferentes culturas, sem que tenha sido criada coisa melhor ao longo de séculos, merece verdadeiramente todas as homenagens e pedidos de desculpas, que seguem abaixo.


Oh! Guarda-chuva! (e sombrinha também!).
Perdoe-nos por tantas vezes que nos esquecemos de você. Ou quando, depois de usá-lo, nem lembramos mais da sua existência e voltamos a lhe esquecer literalmente em tantos lugares.
Que você continue a nos manter secos, em meio a tantos molhados, ou mesmo protegidos do calor infernal, com o perdão atemporal de São Pedro. Molhai por nós. Amém!
 


*O Brand-News não se responsabiliza por artigos assinados por nossos colaboradores
 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Precisa de ajuda?
Atendimento
Precisa de ajuda? Fale conosco pelo Whatsapp