23/03/2023 às 15h04min - Atualizada em 23/03/2023 às 15h04min

Visando movimentar o turismo, cidades investem na revitalização de patrimônios históricos

FONTE: Isadora Chequer - [email protected] - FOTO: Reprodução Revista Ferroviária
c 
Abandonado há mais de 40 anos, Complexo Ferroviário de Taubaté será revitalizado pelo Instituto IS para se tornar centro de inovação
 
Apesar de ser um dos últimos setores a apontar uma retomada após a pandemia, o turismo finalmente está vivendo dias bons.  Dados de uma pesquisa do IBGE, realizada em novembro de 2022, apontam que o volume de atividades turísticas no Brasil cresceu 11,8% em comparação com o ano passado. A retomada traz destaque também para as ações da cidades para atração de turistas, como, por exemplo, um olhar para os patrimônios históricos. É o caso do Complexo Ferroviário de Taubaté, que recebeu apoio financeiro de R$ 6.2 milhões do BNDES, com o incentivo da Gestamp e MRS Logística, para viabilizar a iniciativa do Instituto I.S:  A Estação do Conhecimento. O projeto visa resgatar a história local, promovendo a integração entre a sociedade e a movimentação da economia criativa, por meio de um hub multidisciplinar de inovação, tecnologia, educação, cultura e conhecimento, 
 
De acordo com Rodrigo França, presidente do Instituto I.S, a importância do projeto se dá principalmente pelo fomento da economia local, promovendo o turismo na cidade e a reintegração da comunidade de Taubaté. “Estamos ressignificando um espaço que é muito valioso para a cultura e economia do país e que ficou sem utilidade por mais de 40 anos. Essa iniciativa será um atrativo para turistas de todo o mundo, não só pela história que abriga, mas pela inovação e tecnologia que irá carregar. A Estação do Conhecimento está sendo desenvolvida baseada num modelo de negócio francês, a Station F de Paris. Ou seja, estamos sendo pioneiros no Brasil e trazendo para toda a população um conceito nunca antes visto. É uma satisfação poder promover uma ação como essa em nosso país”, conta Rodrigo.
 
A importância de revitalizar patrimônios históricos se dá pelo resgate da memória, essência, cultura e de parte da história que é responsável pela construção da identidade de um país.  A Estação de Taubaté, por exemplo, é símbolo da história e economia do país, por ser o principal meio de transporte para a exportação do café para a Europa e EUA, e que ficou fechado por mais de 4 décadas para o público. Ao longo dos anos, o monumento sofreu depredações, como pichação, acúmulo de lixo e ferrugem nas estruturas do prédio. 
 
Diferente de uma restauração, a revitalização atua na transformação de um espaço, atribuindo utilidade para o que estava abandonado e depredado. Dando vida a um local como a Estação de Taubaté, além de despertar mais interesse do indivíduo pela cultura, promove um desenvolvimento principalmente econômico da cidade, vinculado ao terceiro setor da economia.
 
“A Estação do Conhecimento deve ser inaugurada em janeiro de 2024. A obra está injetando recursos no comércio local, gerando emprego e impostos no município mas, isso é a menor porção dos benefícios que iremos proporcionar com essa acupuntura urbana. Desde o começo, estamos focados na atração de investimentos, propostas de leis com o poder público, instituição de sandbox para testes em ambiente real de novas tecnologias e pensando sempre na catalização de oportunidades para a cidade. Com a reinauguração da estação, vamos promover o acesso à cultura, a um ambiente tecnológico, criativo e inovador para a cidade. Mais do que resgatar a história de um patrimônio histórico, todas as partes do projeto são um grande marco para toda a população e a cidade de Taubaté”, finaliza o presidente.
 
SOBRE O INSTITUTO I.S. - O Instituto I.S de Desenvolvimento e Sustentabilidade Humana é uma Organização Social Civil, privada e sem fins lucrativos. Fundado em 2011, atua no modelo think tank para promover iniciativas de desenvolvimento socioeconômico, estratégico e cultural para a revitalização de patrimônios históricos. A instituição também trabalha no desenvolvimento de políticas públicas, implementação de ações de ESG e estabelece relações com a economia criativa, inovação e cultura por meio da preservação do patrimônio e smart cities.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »