20/03/2023 às 15h45min - Atualizada em 20/03/2023 às 15h45min

Março Azul-Marinho: coloproctologista da Unimed Poços fala sobre prevenção e conscientização do câncer colorretal

FONTE E FOTO: Alice Dionisio - Comunicação e Marketing Unimed Poços de Caldas
O mês de março é conhecido pela cor Azul-Marinho em conscientização ao câncer colorretal, o segundo tipo mais comum em homens e mulheres no Brasil, segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca), que estima o surgimento de mais de 41 mil novos casos por ano no país. O câncer colorretal origina-se no intestino grosso, também chamado de colón, e no reto, região final do trato digestivo e anterior ao ânus.
 
Os fatores que justificam o surgimento da doença são muito variáveis, entretanto, o coloproctologista da Unimed Poços alerta para alguns hábitos que podem influenciar. “O tabagismo, etilismo, obesidade, grande ingestão de proteína animal e a alimentação pobre em fibras são algumas das principais causas ambientais que podem influenciar no surgimento do câncer colorretal”, explica Antonio Angelo Rocha (foto)

 
PREVENÇÃO - É importante ficar atento ao surgimento de sintomas que podem indicar o início da doença. Entre os mais comuns estão: 
. Emagrecimento rápido e sem causa conhecida; 
. Anemia, cansaço ou fraqueza; 
. Dor ou cólica abdominal frequenta (com mais de 30 minutos de duração); 
. Alteração no ritmo intestinal; 
. Diarreia ou constipação; 
. Anemia; 
. Ausência de apetite.  
 
“É importante tratar as doenças primárias, como obesidade e tabagismo. Além de procurar manter um estilo de vida saudável, evitando o consumo excessivo de álcool e a ingestão de alimentos ultraprocessados (como salsicha e linguiça), bem como a diminuição do consumo excessivo de proteína animal. Deve-se preferir alimentos ricos em fibras, bem como verduras e legumes”, orienta o cooperado da Unimed Poços.  
 
TRATAMENTO - Esse é um tipo de câncer com alta chance de cura, principalmente se identificado no estágio inicial. A cirurgia é o principal caminho para que o tumor seja retirado, mas também há possibilidade de ser realizada radioterapia e quimioterapia, além do auxílio de medicamentos no tratamento. “Infelizmente ainda existem alguns tabus, principalmente em relação aos exames, como por exemplo o toque retal, onde 50% dos casos são diagnosticados por meio dele. Outra dificuldade é o exame de colonoscopia, que por exigir um preparo desconfortável, os pacientes acabam adiando ou deixando de fazê-lo, o que impacta diretamente no diagnóstico e, consequentemente, tratamento”, alerta Antonio Angelo Rocha.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »