19/08/2022 às 15h05min - Atualizada em 19/08/2022 às 15h05min

Dia Nacional do Ciclista traz reflexão sobre importância e desafios na prática do esporte

FONTE: Viviane Somacal - Exata Comunicação - FOTO: Divulgação
Ciclista português Américo Silva, diretor técnico do GFNY Bento, fazendo o reconhecimento do percurso da prova que será realizada em outubro
C 
Data celebrada em 19 de agosto mostra potencial do Brasil para o desenvolvimento da modalidade. Crescimento é evidenciado pela realização de eventos consolidados mundialmente, como o GFNY, que ocorre em Bento Gonçalves, dia 16 de outubro
 
Seja pelo simples gosto pelo pedal, para a adoção de hábitos de vida mais saudáveis ou até mesmo como atividade profissional, incluir o ciclismo na rotina é uma decisão tomada por quem está disposto a ressignificar os conceitos de bem-viver e de superação. Para celebrar a data que homenageia os apaixonados por essa modalidade, nada melhor do que entender a importância desse esporte, especialmente no Brasil, e saber de que forma ele está se desenvolvendo no país - afinal, é uma paixão que tem congregado uma legião de adeptos cada vez maior.
 
O Dia Nacional do Ciclista, comemorado em 19 de agosto, foi instituído no ano de 2017 - com o objetivo de incentivar a população brasileira a praticar o ciclismo e, ao mesmo tempo, refletir sobre os problemas do trânsito e a necessidade de criação de políticas voltadas a garantir mobilidade social, com segurança. Já o ciclismo enquanto esporte surgiu ainda no século XIX, na Inglaterra, e faz parte dos Jogos Olímpicos desde a primeira edição da era moderna (1896), realizada em Atenas.

Atualmente, estima-se que o país tenha uma frota de mais de 33 milhões de bicicletas, o que representa a média de 16 bikes para cada 100 habitantes - segundo estudo publicado pelo Jounal of Sustainable Urban Mobility. E se a bicicleta já vinha se tornando parte da vida de muita gente antes do início da pandemia, desde que a Covid-19 se instaurou no Brasil, em março de 2020, a utilização desse meio de transporte vem crescendo em um ritmo bastante acentuado.

Somente no primeiro bimestre de 2022, a indústria da bicicleta chegou a um patamar que não alcançava desde 2013. Com mais de 125 mil bikes produzidas, houve o registro de crescimento de 10,7% na comparação com o mesmo período do ano passado, de acordo com dados da Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares (Abraciclo). A entidade prevê que sejam produzidas 750 mil bicicletas até o final do ano no país, representando 0,1% a mais do que 2021.

Esses números refletem o potencial que o Brasil tem apresentado para atrair eventos de amplitude global, como é o caso do GranFondo New York (GFNY). O circuito, difundido mundialmente, é considerado a maior maratona de ciclismo amador do planeta e chega, de forma inédita no Rio Grande do Sul, à cidade de Bento Gonçalves, no dia 16 de outubro.

Para o ciclista português Américo Silva, diretor técnico do GFNY Bento, esse movimento crescente da modalidade, aliado à promoção de importantes eventos, posiciona o Brasil como um país de grande oportunidade para o desenvolvimento do ciclismo, visto que a própria data nacional que homenageia o ciclista foi criada recentemente. "Em Portugal, esse tipo de evento é promovido em quase todos os finais de semana, enquanto que aqui são dois ou três anuais, do estilo do GFNY. Provas para ciclistas amadores motivam e os ajuda a se manter em forma. Tem tudo para crescer cada vez mais", exalta.
 
Infraestrutura e respeito ao ciclista são bandeiras
 
O Dia Nacional do Ciclista também é uma forma de conscientizar as autoridades e a sociedade sobre políticas públicas que devem ser postas em prática para que a modalidade se desenvolva de forma paralela à devida infraestrutura e segurança oferecida aos praticantes. No ano passado, alterações no Código de Trânsito Brasileiro (CTB) foram reivindicadas, e conquistadas, pelos ciclistas. Embora ainda não proteja por completo, essa legislação oferece certo respaldo ao atleta.
Com as regras atuais, os municípios passam a ser designados a desenvolver e criar áreas seguras e com proteção para ciclistas. A redução de velocidade, obrigatória e passível de multa, ao ultrapassar o ciclista, também é uma forma de fazer com que o motorista respeite quem pedala, assim como as penas em caso de obstrução de ciclofaixas ou ciclovias.

Nesse contexto, a realização de eventos ciclísticos de grande impacto também ajuda a reforçar essas legislações e formar uma consciência coletiva. "Vemos que muitas regiões do país ainda não possuem condições adequadas para a prática do ciclismo. Mas também percebemos que há um movimento que esboça atenção direcionada para essas questões. Optamos por fazer o GFNY em Bento Gonçalves justamente por entendermos que aqui as estradas estão em boas condições e que há um potencial bem interessante de desenvolvimento de políticas no sentido de melhorar a mobilidade de quem pedala", destaca Américo.

O GFNY Bento também cumprirá importante papel social ao promover, de forma paralela à prova, o GFNY Bento Kids, direcionado exclusivamente para crianças de 2 a 14 anos. A iniciativa será totalmente gratuita - uma forma a mais de incentivar a prática da modalidade entre os atletas mirins e sensibilizar as futuras gerações sobre a importância da modalidade. Por meio do projeto GFNY Brasil New Generation, o evento pretende, ainda, educar e descobrir novos talentos, promovendo a conscientização sobre as leis de trânsito, as práticas saudáveis do esporte e do meio ambiente. Tanto que, no dia do evento, haverá uma clínica de ciclismo, gratuita e aberta à comunidade, com o objetivo de ensinar os princípios básicos do uso da bicicleta com a segurança necessária para o ciclista da cidade, de acordo com as novas regras do CTB.
 
Inscrições e mais informações no site

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »