10/08/2022 às 14h55min - Atualizada em 10/08/2022 às 14h55min

Vacina construída e remédios disponíveis deixam monkeypox controlável, afirma pesquisador da UFMG

FONTE E FOTO: Cedecom - Assessoria de Imprensa
C 
Doença foi declarada emergência global e primeira morte no Brasil foi confirmada
 
Após ser declarada emergência pública de preocupação global, pela Organização Mundial da Saúde (OMS), a monkeypox teve seu primeiro caso fatal registrado no Brasil em 28 de julho, em Belo Horizonte (MG). Segundo o Ministério da Saúde, a vítima é um homem, de 41 anos, com baixa imunidade e comorbidades, incluindo câncer (linfoma), que levaram ao agravamento do quadro.
 
Embora a situação inspire cuidados, o professor Flávio da Fonseca, pesquisador do Centro de Tecnologia em Vacinas (CTVacinas) da UFMG e integrante da CâmaraPox do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), afirma que o surgimento da monkeypox é menos preocupante do que o início da pandemia de Covid-19, em 2020. “Temos vacinas construídas e remédios disponíveis, e o vírus é menos infeccioso e letal do que o da covid-19", informa. 
 
No vídeo da TV UFMG, o professor dá dicas de como se prevenir. A pessoa deve evitar contato pele a pele com lesões e com saliva, por meio do uso de máscaras. Ele também alerta: “o monkeypox não é um vírus exclusivo a [pessoas de] nenhuma orientação sexual”.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »