09/08/2022 às 15h44min - Atualizada em 09/08/2022 às 15h44min

Uma em cada 10 mulheres sofre com endometriose no Brasil

FONTE e foto: Alice Dionisio - Comunicação e Marketing Unimed Poços de Caldas
C 
O principal sintoma é a cólica severa durante o período menstrual
 
De acordo com dados do Ministério da Saúde, a endometriose afeta de 10% a 15% das mulheres em idade reprodutiva. A doença inflamatória crônica se desenvolve quando o tecido da camada interna do útero começa a crescer fora dele.  
 
O ginecologista cooperado da Unimed Poços explica que a cavidade uterina possui um revestimento interno chamado endométrio. “Todos os meses o endométrio se prepara para receber uma possível gravidez. Quando isso não ocorre, esse revestimento se descama e sai sob a forma de sangue menstrual. Se essas células endometriais migrarem para outros locais, podem se desenvolver e dar origem a endometriose”, afirma Cloves Borges Correia.  
 
Quando não tratada, ela pode afetar a fertilidade da mulher, provocar cólicas menstruais severas, dores abdominais, desconforto durante a relação sexual e alterações no sistema intestinal e urinário. “Além da dificuldade em engravidar, a doença atinge bexiga e/ou intestino. Em casos mais graves, fígado e pulmões”, alerta o ginecologista.  
 
O tratamento varia desde cuidados com o estilo de vida, até bloqueios hormonais com anticoncepcionais ou medicamentos mais específicos. “As menstruações são suspensas, diminuindo assim o estímulo hormonal. Todo tratamento visa o controle dos sintomas e a redução dos danos causados. Com a chegada da menopausa os sintomas tendem a desaparecer”, explica o cooperado da Unimed Poços.  
 
O diagnóstico da doença deve ser feito por um especialista, através de uma avaliação do histórico da paciente e um exame físico ginecológico direcionado. “Como prevenção, é importante que as mulheres passem em consulta uma vez ao ano. Através dela é possível descobrir patologias que, se tratadas precocemente, podem ser curadas totalmente", orienta Correia.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »