03/08/2022 às 15h47min - Atualizada em 03/08/2022 às 15h47min

A cultura de todo o Brasil se encontra em Olímpia no 58º Festival do Folclore

FONTE: Approach Comunicação - Flávia Dratovsky - FOTOS: Divulgação
Grupo Frutos do Pará
C 
Evento reúne 50 grupos de 18 estados de todas as regiões do país, de 6 a 14 de agosto; público esperado é de mais de 160 mil visitantes
 
De 6 a 14 de agosto de 2022, a Estância Turística de Olímpia, no noroeste paulista, voltará a se transformar no centro do Brasil, durante o 58º Festival do Folclore. A cidade reúne, há quase 60 anos ininterruptos, grupos e manifestações folclóricas de diversos estados brasileiros, e, neste ano, tem a expectativa de retomar presencialmente a festa ainda mais fortalecida, reforçando o compromisso do município, que é oficialmente a Capital Nacional do Folclore (Lei Federal Nº 13.566/2017).
 
Considerado um dos festivais mais importantes do país, em 2020 o evento foi realizado em formato totalmente digital e, no ano passado, a edição foi híbrida, com apresentações gravadas e ao vivo, transmitidas em tempo real pelos canais oficiais do festival, na Internet, alcançando mais de 110 mil pessoas no Brasil e no mundo.
 
Agora, em 2022, o FEFOL chega à sua 58ª edição, celebrando o Jubileu de Dália, conforme o legado deixado pelo seu idealizador, Professor José Sant’anna. Com o tema “Olímpia é o folclore brasileiro”, em referência à música “Olímpia, Cidade-Moça”, da dupla sertaneja Tonico & Tinoco, o festival deste ano terá a participação de cerca de 50 grupos folclóricos e parafolclóricos de 18 estados de todas as regiões brasileiras, sendo 32 deles visitantes e mais de 20 de Olímpia. De norte a sul, passando pelo nordeste, centro-oeste e sudeste, os diferentes ritmos, passos e emoções se encontrarão no palco do Recinto do Folclore “Professor José Sant’anna”.  
 
Novo Museu do Folclore
 
Na véspera da abertura do Festival, dia 5 (sexta-feira), a Prefeitura de Olímpia, por meio da Secretaria de Turismo e Cultura, e a Fundação Roberto Marinho assinam uma parceria inédita para a renovação do Museu do Folclore. A assinatura também terá a presença do secretário de Cultura e Economia de Cultura do Estado de São Paulo, Sérgio Sá Leitão.
 
O Museu, criado na década de 70, conta com um acervo único de manifestações folclóricas reunidas em quase 60 anos de festival. Com o novo projeto, a ideia é que o espaço seja uma instituição que celebre o folclore durante todo o ano, ampliando a comunicação com o público, a partir de sua implantação em uma nova sede, dentro do Recinto do Folclore. Com uma exposição contemporânea, difundirá seu valioso conteúdo e acervo, de forma inovadora, atraente e interativa.
 
“Costumo dizer que, para conhecer a cultura de todo o Brasil, levaríamos um ano viajando pelo país e, aqui em Olímpia, é possível fazer isso em apenas uma semana, com o intercâmbio cultural que o Festival do Folclore proporciona. Por isso, temos um olhar cuidadoso voltado à preservação da cultura e ao acesso à arte e essa parceria com a Fundação Roberto Marinho chega para alavancar esse potencial. Para nós, é motivo de orgulho trabalharmos ao lado de uma instituição renomada, com Know-how no âmbito acadêmico e cultural, que irá fortalecer Olímpia como Capital Nacional do Folclore, transformando nossa cidade em referência no país, o ano inteiro, e valorizando ainda mais o Festival e todo o acervo da cultura brasileira que temos à disposição dos moradores e visitantes”, declara o prefeito de Olímpia, Fernando Cunha.
 
A Fundação Roberto Marinho tem a expertise de ter concebido e implementado alguns dos principais museus do país - Museu da Língua Portuguesa e Museu do Futebol, em São Paulo; Museu do Amanhã e Museu de Arte do Rio, no Rio de Janeiro; Paço do Frevo, em Recife; e Museu da Imagem e do Som, em construção no Rio de Janeiro. São espaços de educação e cultura que valorizam patrimônios imateriais do país, revitalizando também regiões e patrimônios históricos.
 
Grupos de Norte a Sul e homenagem a Santa Catarina
 
A edição do Festival deste ano faz ainda uma homenagem especial à Associação Folclórica Boi de Mamão do Pantanal, de Florianópolis (SC), que foi escolhida como grupo homenageado, ilustrando o cartaz oficial do evento. Com mais de 50 anos de história, o grupo é considerado um dos mais antigos da capital catarinense, contando a tradicional história da morte e ressurreição do boi, um clássico da cultura do estado. 
  
Um dos momentos mais esperados e emocionantes da festa é o espetáculo de abertura, na noite do dia 6 de agosto (sábado). A apresentação terá o tema “O Folclore Pulsando em Olímpia: Santa Catarina e todo Brasil em um só Coração” e está sendo preparada pela Secretaria de Educação, com mais de 450 pessoas envolvidas, a maioria delas alunos da rede municipal de ensino.
  
Segundo a Comissão Organizadora do festival, serão mais 1.500 componentes, entre dançarinos, músicos e equipes de apoio dos grupos visitantes. O entusiasmo para o retorno do festival presencial também se reflete na expectativa de público para este ano, estimando que mais de 160 mil pessoas passem pelo Recinto do Folclore, superando o público presencial de 2019. A programação gratuita inclui apresentações noturnas do palco da arena, além de atividades educacionais e recreativas durante toda a semana. 
 
INSTITUCIONAL - O Festival do Folclore de Olímpia é uma realização da Prefeitura, por meio da Secretaria de Turismo e Cultura, com apoio dos projetos do Governo do Estado, ProAC e Juntos pela Cultura, da Associação Olímpia para Todos, e patrocínio de empresas olimpienses. Todas as atividades são gratuitas e a programação completa está disponível no site do festival.



Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »