21/06/2022 às 15h58min - Atualizada em 21/06/2022 às 15h58min

Estudo da UFMG mostra que consumo diário de leite superior a 260 ml reduz risco de morte por doenças cardiovasculares

FONTE: Centro de Comunicação Social da Faculdade de Medicina da UFMG - FOTO: Rodrigo Monteiro - Embrapa
Os melhores resultados do estudo foram alcançados com o alimento “in natura”
c
Desenvolvido com base nos dados do Elsa Brasil, artigo foi premiado pela American Heart Association

Tese defendida no Programa de Pós-graduação em Saúde Pública da Faculdade de Medicina da UFMG demonstrou a correlação entre o consumo de leite e a diminuição do risco de morte por doenças cardiovasculares. Parte dos resultados do estudo está publicada no European Journal of Nutrition.

A pesquisa, que se valeu de dados do Elsa-Brasil, levantamento longitudinal desenvolvido por seis instituições de ensino e pesquisa do país, incluindo a UFMG, resultou na tese de doutorado da nutricionista Fernanda Marcelina Silva, orientada pelas professoras Sandhi Maria Barreto e Luana Giatti, do Departamento de Medicina Preventiva e Social da Faculdade de Medicina. Foram avaliados o grupo dos chamados laticínios totais (leite, queijos, iogurtes, requeijão, manteiga, sobremesas lácteas e sorvete), alguns subgrupos (fermentados e lácteos com alto e baixo teor de gordura) e componentes do leite em separado.

Os resultados mostram que o consumo de leite superior a 260 ml para homens e 321 ml para mulheres diminui em até 66% o risco de morte por doenças cardiovasculares. Resultados parecidos foram encontrados também para laticínios totais. Entretanto, os melhores resultados foram com o leite, alimento in natura, e revelaram diferenças importantes no consumo entre os sexos.
“Por muito tempo o leite foi tratado como alimento nocivo à saúde, mas esses resultados mostram o contrário, corroborando com outros estudos mais recentes ao redor do mundo”, afirma Fernanda, que é mestre em Ciências Aplicadas à Saúde do Adulto e doutora em Saúde Pública pela Faculdade de Medicina da UFMG.

A pesquisadora explica que, nos últimos anos, os alimentos in natura vêm perdendo espaço na alimentação do brasileiro, o que despertou o interesse para o tema. “As Pesquisas de Orçamentos Familiares (POF/IBGE) detectaram aumento significativo na parcela de alimentos prontos para consumo na alimentação dos brasileiros, ao passo que há queda de alimentos in natura, incluindo o leite. Essa mudança no padrão alimentar ao longo dos anos vem acompanhada pelo aumento das doenças crônicas não transmissíveis e do risco de morte por essas doenças”, aponta.

A maior parte dos estudos disponíveis sobre o tema é proveniente de países desenvolvidos, cujo padrão de consumo alimentar difere dos hábitos no Brasil. “O brasileiro consome relativamente pouco leite e seus derivados se comparado com habitantes de países desenvolvidos, embora sejamos um país com participação importante na produção mundial de leite. Em outros estudos, vemos que há relação entre a renda e o consumo de leite, então provavelmente há uma restrição no acesso a esse alimento no Brasil”, analisa.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Precisa de ajuda?
Atendimento
Precisa de ajuda? Fale conosco pelo Whatsapp