09/03/2022 às 15h13min - Atualizada em 09/03/2022 às 15h13min

TikTok suspende publicações em vídeo feitas na Rússia após lei de censura

Por Carol Affonso - Comunicação Estratégica para Instagram
@carolonlline
Figura meramente ilustrativa - Reprodução Google
c 
Nova regra prevê até 15 anos de prisão a quem publicar notícias falsas sobre o Exército; Facebook e Twitter foram bloqueados
 
O gigante chinês das redes sociais TikTok anunciou a suspensão de publicações em vídeo na Rússia devido a uma recente lei que prevê até 15 anos de prisão para os que divulgarem o que o governo considerar fake news sobre a guerra na Ucrânia. 
A empresa afirmou que a suspensão vai durar até que as implicações da lei sejam analisadas, mas que o serviço de mensagens do aplicativo não será afetado. "A segurança de nossos funcionários e usuários continua sendo nossa maior prioridade", diz um comunicado.
O presidente russo, Vladimir Putin, sancionou na sexta-feira (4) a lei - que na prática funciona como uma censura militar da imprensa. Também naquele dia, o Facebook e o Twitter foram bloqueados na Rússia, após dias de limitação de acesso.
 
A norma de cerco à imprensa já afetou o trabalho da mídia profissional, com redes como a britânica BBC, a canadense CBC e a americana Bloomberg, suspendendo a atuação de suas equipes em território russo.
A agência de notícias espanhola Efe e a emissora italiana RAI seguiram o mesmo caminho, enquanto a CNN Internacional anunciou a suspensão de sua transmissão no país. Já o jornal independente Novaia Gazeta (novo jornal), editado pelo coganhador do Nobel da Paz em 2021 Dmitri Muratov, publicou em suas redes que iria retirar todo o conteúdo relacionado à ação de Putin.
 
A medida foi criticada por parte da comunidade internacional e descrita como mais um passo do Kremlin para asfixiar a liberdade de imprensa, já limitada no país.
O líder russo usa o método do nacionalismo autoritário contra seu alvo principal: a mídia independente. Em seu último relatório, de julho do ano passado, a ONG destacou que ao menos oito jornalistas russos estavam detidos àquela altura, e um deles, Aleksandr Tolmashev, havia morrido na prisão em 2020 por falta de atendimento médico.
 
Trata-se de uma situação inédita na era das notícias instantâneas e interconectadas, mas nem de longe incomum para um país em guerra. Todos os conflitos desde que a imprensa passou a cobri-los, a partir da Guerra da Crimeia perdida pelos russos em 1856, foram objeto de censura de autoridades nacionais.
 
Moscou também avança no cerco à liberdade de expressão, com prisões massivas de civis que vão às ruas protestar contra a invasão da Ucrânia. Até o momento, quase 13 mil pessoas haviam sido detidas por essa razão, segundo monitoramento da ONG OVD-info, que atua na área dos direitos humanos.
 
 
Fonte: Folha/UOL




*O Brand-News não se responsabiliza por artigos assinados por nossos colaboradores
 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Precisa de ajuda?
Atendimento
Precisa de ajuda? Fale conosco pelo Whatsapp