Brand-News Publicidade 1200x90
29/05/2024 às 11h42min - Atualizada em 29/05/2024 às 11h42min

Oh ow! Fim de uma era: mensageiro ICQ vai sair do ar após 28 anos

Por Carol Affonso - Comunicação Estratégica para Instagram
@carolonlline
Figura meramente ilustrativa - Reprodução Google

 
Um dos programas mais tradicionais de bate-papo por mensagens de texto na internet vai fechar as portas. O ICQ deixará de funcionar oficialmente a partir de 26 de junho deste ano, de acordo com uma mensagem postada no site oficial do aplicativo
 
Famoso por quem se comunicava com amigos pela internet no final da década de 1990, o serviço ainda existia, mas estava há anos apenas recebendo atualizações pontuais de funções como videochamadas e criptografia de ponta-a-ponta.  
 
O ICQ nasceu em 1996, desenvolvido por uma pequena empresa de Israel chamada Mirabilis. O nome é uma sigla derivada da pronúncia da frase "I seek you" (ou "eu procuro você", em tradução do inglês). 
A ferramenta se destacava por recursos como mandar mensagens para quem estava offline, o som característico de recebimento de mensagens e a integração com o SMS - além do esquema de adicionar pessoas com base em um código numérico de nove dígitos em vez de um nome ou e-mail

 
Em pouco tempo, ele se tornou uma das alternativas de bate-papo digital mais populares do mercado, brigando de igual para igual com o gigante AOL Instant Messenger. Ameaçada, a própria AOL adquiriu o ICQ em 1998. 
 
Segundo um comunicado da época, o ICQ chegou a ter 100 milhões de usuários ao todo - um número bastante expressivo para o período. Ele começa a perder popularidade em especial na segunda metade da década de 2000, quando o MSN Messenger (depois Windows Live Messenger) atinge o seu auge.  
 
Em 2010, o serviço foi vendido para o conglomerado russo VK, que era até hoje dono da marca. Segundo a própria companhia, agora ela vai direcionar os poucos usuários do ICQ aos seus próprios serviços nativos mais populares, como o VK Messenger de conversas casuais e o VK WorkSpace para uso corporativo.  
 
Nos últimos anos, ele se manteve no ar como mais um app de mensagens instantâneas, mas sem ameaçar gigantes como WhatsApp e Telegram. No Brasil, ele teve alguns picos de downloads em período de bloqueio desses aplicativos pela Justiça, mas sem manter a empolgação a longo prazo. 
 
O app chegou a ser bloqueado por aqui no ano passado, após uma investigação da Polícia Federal detectar que o software estava sendo usado para disseminar vídeos e imagens de violência sexual contra menores de idade.
 
Vou terminar essa sessão nostalgia com a seguinte indagação: Você se lembra da época do ICQ? Lembra do seu UIN? 
 


 
*O Brand-News não se responsabiliza por artigos assinados por nossos colaboradores
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://brandnews.com.br/.