15/03/2024 às 14h10min - Atualizada em 15/03/2024 às 14h15min

Temperatura pode subir até seis graus em Minas nos próximos 70 anos

FONTE: Assessoria de Imprensa ALMG - [email protected] - FOTO: Guilherme Bergamani/ALMG
Professora Michelle Simões Reboita apresentou os riscos ambientais do planeta no lançamento do Seminário Técnico que ocorreu no Plenário nesta quinta-feira (14)
 
No lançamento de seminário da ALMG sobre a crise climática, pesquisadora alerta que o aquecimento pode afetar cultivos importantes. Das 20 cidades mais quentes do País em 2023, 19 estão em Minas Gerais
 
Em cerca de 70 anos, a temperatura pode aumentar em até seis graus em Minas Gerais. Esse aquecimento afetaria cultivos importantes, como o de café, azeitonas e árvores frutíferas, com a redução significativa de áreas aptas para a plantação.
 
O alerta foi feito nesta quinta-feira (14/3) por Michelle Simões Reboita, pós-doutora em Meteorologia pela Universidade de São Paulo (USP) e professora do curso de Ciências Atmosféricas da Universidade Federal de Itajubá (Unifei).
 
Ela participou do lançamento do Seminário Técnico Crise Climática em Minas Gerais – Desafios na Convivência com a Seca e a Chuva Extrema, no Plenário da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG). À tarde, grupos de trabalho se reuniram para discutir a metodologia e o cronograma do seminário em agosto.
Com a iniciativa, o Parlamento mineiro pretende discutir a crise climática no Estado, bem como fomentar projetos de inovação para Minas e definir uma agenda de trabalho legislativo sobre o tema.
 
De acordo com Michelle Simões, o planeta está cada vez mais quente desde a Revolução Industrial. Em 2023, houve recorde de altas temperaturas em Minas e no Brasil. Se comparada com a série de 1850 a 1900, a temperatura subiu 2 graus. “A média não deve ultrapassar 1,5 grau, o que causa degelo de regiões polares”, explicou a pesquisadora.
 
Ainda segundo a professora, das 20 cidades mais quentes do País em 2023, 19 estão em Minas Gerais. No último dia 19 de novembro, Araçuaí (Jequitinhonha/Mucuri) registrou a maior temperatura do Brasil, de 44,8 graus.
Os primeiros meses de 2024 já registram temperaturas maiores que as do mesmo período de 2023. Dessa forma, segundo Michelle Simões, 2024 trará um novo recorde.
 
ÁUDIO - Ela destacou que a concentração de gases do efeito estufa intensificada pelas atividades humanas traz distúrbios no clima, como chuvas e secas extremas. Os impactos desses fenômenos não são distribuídos de forma homogênea, e quem sofre mais as consequências em questões como saúde, moradia e segurança é a população menos favorecida.
 
A pesquisadora defendeu, por fim, que a ciência seja utilizada para entender os fenômenos e fazer projeções para o futuro e que tecnologias sejam desenvolvidas para a redução da emissão de gases, de forma a amparar governantes na implementação de medidas de adaptação e mitigação dos impactos.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://brandnews.com.br/.