30/03/2021 às 15h08min - Atualizada em 30/03/2021 às 15h08min

Rota Jesuíta de Córdoba em três dias

FONTE: Juliana Tavares - FOTOS: Reprodução Google
.
A ordem religiosa se dedicou à produção de vinhos em instâncias excepcionais para apoiar as escolas gratuitas que faziam parte de seus objetivos de "educar e evangelizar"
 
No coração da Argentina, na província de Córdoba, se situam as rotas dos Jesuítas e seus vinhedos, declarados Patrimônio da Humanidade pela Unesco, pelos valores excepcionais que possuem. Saindo da cidade de Córdoba, capital, a 700 km de Buenos Aires, você pode fazer um tour pela “Manzana Jesuítica”, declarada Patrimônio da Humanidade pela Unesco em 2000. Em seguida, durante três dias, você pode percorrer a "Rota Jesuíta"- viagem ao interior de uma identidade nacional marcada por tensões religiosas e políticas, mas também por uma cultura do vinho que atrai a atenção mundial.
Tudo começou no século XVII, especificamente no período entre 1599 - ano da chegada dos Jesuítas a Córdoba - e 1767, ano em que ocorreu a sua expulsão. Como o lema desta sagrada ordem era "educar e evangelizar", foram construídas escolas gratuitas, segundo o voto de pobreza que pregavam. Para apoiar financeiramente este objetivo, foram instaladas salas destinadas à produção de vinho.

A viagem realiza-se integralmente no percurso da Ruta Nacional 9 (RN9), pois foi ali onde os Jesuítas fizeram as suas estadias, a uma distância confortável e perto da capital provincial. Em primeiro lugar, a 50 km ao norte da capital, em menos de uma hora você poderá desfrutar das Estâncias de Caroya, que por sua perfeita manutenção e cuidado o levam a uma viagem ao passado, sendo o primeiro estabelecimento rural da ordem Jesuíta.
Por outro lado, em Jesús María, você poderá apreciar os lugares onde as uvas eram amassadas para fazer vinho. Situada a apenas quatro quilômetros ao norte da Estância de La Caroya, revela-se que sua localização não é fortuita: por ali passava a Estrada Real para a capital do Vice-Reino.
O passeio continua em Santa Catalina, a maior estância, que pode ser desfrutada junto com um guia local para descobrir como preservar o desenho próprio dos séculos XVII e XVIII. Além disso, é composta pela sua igreja monumental, um cemitério e os vestígios do que foi o grande centro de produção agrícola.
A pé, de bicicleta ou em pequenos trechos em veículos, pode-se seguir a estrada até Alta Gracia, onde estão o Museu Nacional dos Jesuítas e o Museu do Che (localizado na casa onde Che Guevara viveu durante sua infância). Por fim, a fazenda La Candelaria está localizada no meio das Sierras Grandes, com 300 mil hectares para aprender e se divertir, como pretendiam os jesuítas: com uma taça de vinho na mão.

CULINÁRIA - E como qualquer turista, é impossível não provar os pratos típicos do lugar feitos com seus incríveis produtos regionais. Entre eles está a rabada, um refinado guisado cujo ingrediente principal é, como o próprio nome indica, o rabo do boi ou mesmo de vaca. É um guisado que inclui cebola, tomate, páprica, azeite, alho e cenoura. Um prato ideal para se consumir no inverno.
Depois, vem o flamenquín, o famoso pão frito empanado com carne de porco enrolada em tiras de presunto serrano. Depois, há o salmorejo cordovês, um creme frio feito de pão de miga, tomate, alho, molho, vinagre e azeite. Este prato é acompanhado por ovo cozido e presunto Serrano picado. E por último, você não vai a Córdoba se não parar em um bar para degustar um bom fernet. Essa bebida alcóolica, geralmente utilizada como remédio digestivo, é uma das bebidas favoritas de todos os argentinos que, ao pedi-la com Coca, se sentem como um cordobês.

É importante destacar que a cidade de Córdoba possui um dos aeroportos mais importantes da Argentina, onde operam companhias aéreas como: Andes Lineas Aereas, Gol Linhas Aéreas, Copa Airlines, Azul Linhas Aéreas, American Airlines, Air Europa, entre outras.

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Precisa de ajuda?
Atendimento
Precisa de ajuda? Fale conosco pelo Whatsapp