24/02/2023 às 16h13min - Atualizada em 24/02/2023 às 16h13min

Sedentarismo causa dores e leva a um ciclo vicioso de inatividade física

FONTE: Leda Sangiorgio - Assessoria de Imprensa - [email protected] - FOTO: Reprodução Google
C 
Dados do IBGE apontam que 47% dos brasileiros são sedentários, sendo considerado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) o país mais sedentário da América Latina e o quinto no ranking mundial
 
O corpo humano não foi feito para ficar parado. E a inatividade física tem seu preço, seja com consequências imediatas ou tardias na saúde. O sedentarismo hoje é considerado umas das principais causas de dores musculoesqueléticas, especialmente na coluna.

Segundo Walkíria Brunetti, fisioterapeuta especialista em Dores Crônicas e Saúde Postural, a coluna é uma das regiões mais afetadas pelo sedentarismo.

“A postura está bastante ligada à prática de atividades físicas. Isso porque a falta de movimento acarreta músculos mais fracos e encurtados. Com isso, a pessoa vai ter mais dificuldade em manter uma postura adequada. Um bom exemplo é manter-se ereto em frente ao computador”, aponta Walkíria.
 
CICLO VICIOSO DA DOR - “O grande problema do sedentarismo é que a falta de movimento leva ao desenvolvimento de quadros de dor. Devido a isso, a pessoa evita o movimento com medo de sentir mais dor, a chamada cinesiofobia. Dessa maneira, instala-se um ciclo vicioso que pode culminar na incapacidade física, com consequências importantes na vida profissional e social”, comenta a especialista.
Apesar de existirem outras causas para as dores na coluna, estudos recentes mostram que o sedentarismo é hoje uma das principais em vista do aumento considerável de pessoas que não se movimentam o suficiente.
“O sedentarismo está bastante ligado ao estilo de vida do mundo moderno. Nas grandes cidades há agravantes como poucos espaços adequados para práticas esportivas, violência urbana que pode inibir as pessoas de caminharem mais e tempo gasto no transporte para trabalhar”, diz Walkíria.
A tecnologia também entra como um fator que propicia que passemos mais tempo inativos. Trocamos ao longo dos anos práticas de lazer e esportivas pela TV, celular, videogame. Usamos o controle remoto, o carro para ir à padaria, a escada rolante, o elevador.

“Precisamos nos atentar ao fato de que uma pessoa sedentária tem maior risco de desenvolver a obesidade que também é uma causa importantíssima de dores musculoesqueléticas na coluna e nas articulações, como os joelhos”, alerta a fisioterapeuta.
 
Primeiro passo é sair do quadro de dor
Em geral, o primeiro passo para eliminar esse ciclo vicioso do sedentarismo é procurar um fisioterapeuta. “A dor realmente pode impedir que a pessoa comece a se movimentar. Portanto, a fisioterapia vai tratar os sintomas dolorosos para devolver a funcionalidade ao paciente. A partir disso, é possível focar no fortalecimento muscular, na correção da postura e no alongamento para melhorar a flexibilidade”, reforça Walkíria.
Além dos treinos de força e dos alongamentos, é importante que a pessoa pratique algum exercício aeróbico, como caminhadas, natação, dança. Mas ela só vai conseguir iniciar essas atividades quando a dor estiver controlada. Para quem está acima do peso, é importante elaborar um planejamento para tratar a obesidade”, finaliza.
Vale lembrar que não é preciso correr uma maratona para sair do sedentarismo. Todas as atividades que levem ao movimento contam.
 
Veja algumas dicas para inserir mais movimento no seu dia a dia:
. Descer alguns pontos antes quando usar o transporte público;
. Realizar atividades do dia a dia a pé, como ir à padaria, ao mercado, à farmácia;
. Trocar o elevador pelas escadas ou a escada rolante pela escada comum;
. Passar menos tempo na TV, no celular, no videogame e procurar gastar mais tempo em atividades ao ar livre;
. Fazer caminhadas curtas (30 minutos) nos arredores de casa.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://brandnews.com.br/.