13/06/2022 às 15h37min - Atualizada em 13/06/2022 às 15h37min

Doenças inflamatórias intestinais aumentam 14,87% entre os brasileiros

FONTE: Naves Coelho Comunicação - FOTO: Reprodução Google (SBCP)

Diagnóstico precoce evita cirurgia e complicações graves
 
Mais de 5 milhões de pessoas no mundo sofrem com doenças inflamatórias intestinais crônicas. A informação é da Sociedade Brasileira de Coloproctologia (SBCP). E essa prevalência tem crescido aceleradamente. Estudo do DataSUS aponta que, no Brasil, a incidência desse tipo de patologia aumentou 14,87% entre 2012 e 2020, chegando à média de 100 casos a cada 100 mil habitantes - antes, há uma década, a média era de 30 a cada 100 mil.
 
Popularmente confundidas com diarreias infecciosas, intolerância à lactose e síndrome do intestino irritável, as doenças inflamatórias intestinais não são uma doença do avanço da idade. Ao contrário: tendem a ser mais comuns dos 15 aos 50 anos, tanto em homens quanto em mulheres. “Entre as principais causas, destacamos a herança genética, alteração do sistema imunológico, tabagismo e maus hábitos alimentares, que acabam por desequilibrar o funcionamento dos micro-organismos na flora intestinal, processo chamado de disbiose”, diz a coloproctologista Dra. Cristiane Koizimi, do Hospital Felício Rocho (HFR).
As inflamações são classificadas em duas categorias: a retocolite ulcerativa e a doença de Crohn, com média de 70% e 30% dos casos, respectivamente. Enquanto a retocolite atinge a mucosa intestinal do reto e do intestino grosso (cólon), a doença de Crohn lesiona todas as camadas do aparelho digestório, sobretudo o intestino delgado, o colón e a região perianal, causando obstruções e fístulas. “Os sintomas de ambas são muito parecidos e incluem diarreia crônica com sangue, pus ou muco, acompanhada de fortes cólicas abdominais e urgência evacuatório - a pessoa chega a ir 15 a 20 vezes por dia ao banheiro”, informa a especialista. Fadiga e perda de peso sem motivo também costumam sinalizar o problema.
 
O diagnóstico é realizado por médicos coloproctologistas e gastroenterologistas por meio de exames clínicos, laboratoriais e de imagem, como endoscopia, colonoscopia, tomografia e ressonância magnética. Também pode ser necessário fazer uma biópsia para determinar a doença com exatidão. Quanto mais cedo o paciente for diagnosticado, menores as chances de cirurgia e de complicações graves. Porém, as doenças inflamatórias intestinais não têm cura. “O tratamento clínico consegue controlar o grau inflamatório e atenuar significativamente os sintomas, garantindo a qualidade de vida, por meio de anti-inflamatórios tópicos, corticoides, biofármacos e imunossupressores”, relata a Dra. Cristiane.
 
Todo esse processo passa ainda pela reeducação alimentar, acompanhado de nutricionista, para evitar desnutrição por falta de absorção de nutrientes. O paciente deve evitar ao máximo consumir produtos industrializados, especialmente aqueles que contêm corantes e outros ingredientes químicos, assim como frituras.
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Precisa de ajuda?
Atendimento
Precisa de ajuda? Fale conosco pelo Whatsapp