26/04/2022 às 16h08min - Atualizada em 26/04/2022 às 16h08min

Apneia do sono, que atinge mais de 70 milhões de brasileiros, tem riscos maiores do que o ronco

FONTE: Ícaro Ambrósio - Departamento de Jornalismo - Naves Coelho Comunicação - FOTO: Reprodução Google
C 
Por muito tempo o ronco foi visto apenas como um barulho incômodo, e que ainda serve como motivo de piada nas rodas de amigos e familiares. Hoje, porém, os estudos mostram que esse é um dos sinais mais evidentes de apneia do sono, um distúrbio que pode levar a um quadro de saúde muito mais grave e que muitos brasileiros ainda não sabem que têm.
No Brasil sobram casos de pessoas que precisam ligar o sinal de alerta para a doença. Um estudo realizado pelo especialista em Medicina do Sono Sergio Tufik e outros colaboradores, publicado em 2010 no Sleep Medicine, aponta que 1/3 da população brasileira sofre de apneia do sono. São mais de 70 milhões de brasileiros com o problema. A título de comparação, a Covid-19, com seu forte poder de contágio, já alcançou 30 milhões de brasileiros - menos da metade dos casos de apneia.
 
“A apneia do sono é considerada hoje um problema de saúde pública, e isso preocupa. Ela tem um impacto muito negativo no funcionamento do organismo, piora a qualidade de vida e contribui grandemente para o desenvolvimento e agravamento de outras condições clínicas, incluindo doenças do coração. Mas ainda há uma cultura de se preocupar apenas com o barulho do ronco”, explica Flávia Baggio Nerbass, fisioterapeuta do sono da TRINO - terapia respiratória e do sono, pesquisa & ensino -, doutora em ciências, coordenadora do Departamento de Fisioterapia Respiratória nos Distúrbios do Sono da Assobrafir e consultora da Cmos Drake, empresa fabricante de equipamentos médicos.
Nerbass explica que a apneia do sono ocorre quando a respiração é interrompida com certa frequência durante o período do sono. Essa obstrução parcial ou total das vias aéreas é causada pelo relaxamento dos músculos da cavidade oral e garganta Essas paralisações podem ser rápidas e nem sempre percebidas pelo indivíduo. O ronco, por sinal, é provocado por essa obstrução. Essas pausas comprometem a respiração aumentando o esforço para respirar e reduzindo a quantidade de oxigênio no sangue.
Esse esforço leva o coração a intensificar os batimentos e a pressão arterial a subir, o que sobrecarrega o órgão. Num médio-longo prazo, esse esforço cardíaco pode se converter em quadros de pressão alta, risco de arritmia, AVC, insuficiência cardíaca e até mesmo diabetes.
 
“A apneia do sono é um distúrbio respiratório com consequências muito danosas ao paciente, com destaque para os riscos cardíacos. O ronco deve ser o sinal de alerta para que as pessoas procurem um especialista, mas também outros sintomas, como acordar com a boca seca, acordar cansado, ter sonolência durante o dia, sentir falta de disposição, perda de memória, dentre outros efeitos”, orienta a fisioterapeuta. “O exame padrão para identificar o problema é a polissonografia. Confirmando-se o diagnóstico de apneia do sono, chega o momento do tratamento. Existem métodos que podem tratar a apneia de maneira bastante eficaz”, explica a fisioterapeuta.
 
TRATAMENTO - A fisioterapeuta orienta que, dentre os tratamentos disponíveis para a apneia do sono, um aparelho chamado CPAP é a solução conhecida pelos especialistas como padrão ouro para casos moderados a graves. Mas também pode ser indicado em casos mais leves, quando acompanhados de muitos sintomas e comorbidades. O método não é invasivo e traz resultados rápidos e efetivos. O CPAP consiste num aparelho que, através de uma máscara que cobre o nariz (ou o nariz e a boca) e que deve ser usado durante o sono, é capaz de garantir o fluxo de ar necessário ao paciente para que a apneia não aconteça.
“O CPAP emite um fluxo de ar pressurizado que mantém as vias aéreas desimpedidas, permitindo a circulação livre de oxigênio. Se estiver bem ajustado, o uso do aparelho cessa o ronco e abre caminho para o transporte de oxigênio até os pulmões. Esse dispositivo, que foi projetado justamente para ser usado em casa, melhora a qualidade do sono do paciente, resolve muitos sintomas diurnos, reduz os riscos de desenvolver problemas cardiorrespiratórios e melhora a saúde como um todo, trazendo mais qualidade de vida”, explica Flávia Baggio Nerbass.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Precisa de ajuda?
Atendimento
Precisa de ajuda? Fale conosco pelo Whatsapp