02/02/2022 às 16h02min - Atualizada em 02/02/2022 às 16h02min

Melhor prevenir: qual a combinação ideal para fortalecer o sistema imunológico?

FONTE: ComTexto Comunicação Integrada - FOTO: Reprodução Google
c 
Consultora lista nutrientes e hábitos importantes para manter o organismo saudável e com a imunidade em alta
 
Nenhum alimento sozinho tem a capacidade de fortalecer a imunidade. Mas, sim, o conjunto de hábitos e ações saudáveis. Dentro desse contexto, a alimentação saudável, com nutrientes certeiros, pode beneficiar diversos sistemas do corpo humano, especialmente o imunológico. Essa é a orientação de Bruna Pavão, consultora nutricional da linha de snacks saudáveis Cuida Bem, que reforça que é necessário consumir alimentos de todas as classes e grupos alimentares, como proteínas, carboidratos e gorduras boas.
 
“Não existem superalimentos, fórmulas, sucos ou soroterapias, por infusão endovenosa de nutrientes, que são indicados para prevenir ou até mesmo tratar pessoas contaminadas com gripe ou Covid-19, por exemplo. Somente uma alimentação equilibrada e balanceada durante o ano todo ajudará a manter o sistema imune em bom estado para atuar no combate dos vírus causadores”, destaca Bruna.
 
Além de uma alimentação mais balanceada, alguns suplementos podem ser recomendados como vitamina C, zinco e ômega 3. A consultora listou alguns nutrientes essenciais para o bom funcionamento do sistema imunológico:
 
• Vitamina A: presente em alimentos como ovos, leites e queijos, legumes, frutas e verduras de cores alaranjadas e verdes escuras, essa vitamina tem um importante papel no fortalecimento do sistema imunológico.
 
• Vitamina C: está presente, principalmente, em frutas cítricas (laranja, limão, cereja, morango e mexerica) e atua na proteção das células e no funcionamento adequado do sistema de defesa contra os vírus e bactérias. “A vitamina C pode ser encontrada em grande concentração nas células do sistema imune, porém, na presença de processos inflamatórios ou de infecções como gripes e resfriados, que aumentam o nível de estresse, esse índice pode diminuir muito rápido. Por esse motivo, manter o consumo de alimentos fonte dessa vitamina pode evitar que isso aconteça e afete o desenvolvimento das células. Além disso, possui atividade antioxidante, que pode prevenir o dano celular”, explica a consultora.
 
• Vitamina D: o principal meio de obtenção dessa vitamina é a exposição diária aos raios solares, porém, alguns alimentos como os óleos de fígado de peixe, atum e linguado são considerados boas fontes. Opera no funcionamento de muitos órgãos e tecidos, além de possuir importância para a saúde dos ossos. Tem efeitos significativos em diversos sistemas, incluindo o imunológico.
 
Vitamina E: encontrada na gema de ovo, vegetais verdes escuros, gérmen de trigo e óleos vegetais. É um importante antioxidante, proporcionando benefícios similares a vitamina C ao sistema imune do corpo.
 
Sais minerais e gorduras boas como ferro, magnésio, selênio, zinco, ômega 3 e ômega 6, encontrados em sementes como chia, quinoa e castanha de caju, também possuem componentes que podem auxiliar o sistema imunológico, contribuindo para a melhora do desempenho das células de defesa do corpo.
“O zinco é essencial para o crescimento, desenvolvimento e função imunológica, principalmente das células dos linfócitos T, uma das principais células do sistema imune. O consumo de alguns alimentos com essa fonte, como carne vermelha e camarão, devem ser considerados e podem ser facilmente incluídos em diversas preparações”, diz Bruna. Ela reforça que “as oleaginosas como amêndoas e amendoim contêm boas quantidades desse micronutriente, esses alimentos estão presentes, por exemplo, no portfólio da marca Cuida Bem. São snacks de fácil ingestão e ideais para o dia a dia”, pontua Bruna.
 
A profissional reforça que alguns hábitos também podem auxiliar no aumento da imunidade, como:
 
Controle do estresse: o estresse crônico afeta diretamente o Sistema Nervoso Simpático, liberando o hormônio cortisol, que está relacionado à diminuição das funções imunes e, portanto, altera o bom funcionamento do sistema imunológico.
 
Qualidade do sono: o sono é um processo que envolve mecanismos fisiológicos e comportamentais e que necessita da atuação de diversas regiões do sistema nervoso central, sendo considerado fundamental para a manutenção da saúde, incluindo o sistema imunológico. A privação do sono pode provocar mudanças no funcionamento do corpo, e, consequentemente, deixá-lo mais suscetível a doenças e prejudicar a imunidade.
 
Atividade física: a prática de exercício físico regular tem sido relacionada ao aprimoramento do sistema imunológico, pois contribui para a produção de mais células de defesa e pode atuar diretamente para o aumento da função do sistema imune.
 
• Contato diário com o sol: a principal fonte de vitamina D para o corpo humano é por meio dos raios solares. Essa vitamina afeta diretamente a imunidade ao atuar na redução dos fatores de risco de infecções virais do trato respiratório e pode apresentar potencial anti-inflamatório contra esses microrganismos.
 
A profissional explica que qualquer mudança rigorosa nos hábitos alimentares, sem que seja acompanhada por médico ou nutricionista, pode prejudicar o sistema imunológico, pois pode restringir ou até mesmo eliminar o consumo de grupos alimentares e a quantidade de calorias adequadas das refeições. “As recomendações nutricionais são diferentes entre os sexos e faixas etárias. Isso porque cada indivíduo possui necessidades específicas”, afirma.
 
Bruna reitera que “a relação do sistema imunológico e a nutrição está em uma ingestão adequada de alimentos com nutrientes característicos, como as vitaminas e minerais, listados anteriormente, que favorecem diretamente as funções das células de defesa do organismo, ao melhorar a qualidade de vida e auxiliar o processo de tratamento de diversas doenças”.
 
Acesse o site e saiba mais: www.santahelena.com.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Precisa de ajuda?
Atendimento
Precisa de ajuda? Fale conosco pelo Whatsapp