05/10/2021 às 16h45min - Atualizada em 05/10/2021 às 16h45min

O apagão das principais redes sociais revelou parte de uma sociedade nomofóbica, revela neurocientista

FONTE E FOTOS: Jennifer da Silva - press@pressmf.global/ Reprodução Google

Durante o caos tecnológico desta segunda-feira, muita gente sentiu sérios problemas por ficar distante das redes sociais. O neurocientista Fabiano de Abreu alerta sobre os riscos da dependência cada vez maior dos conteúdos digitais.
O apagão das redes sociais revelou um caos muito além de uma questão tecnológica. Tanto que o PhD Fabiano de Abreu, conta que “este período permitiu observar uma sociedade cada vez mais dependente dos conteúdos digitais, o que pode trazer sérios riscos para sua saúde física e mental”. Além disso, “as pessoas tiveram que passar horas sem acesso aos seus conteúdos digitais favoritos e muitos revelaram o quanto estão dependentes destas ferramentas”, destaca.
 
Mediante a este acontecimento, Fabiano monitorou o comportamento das pessoas durante e após a volta destas redes sociais. “Se enquanto durava o apagão a pessoa pegou no celular para buscar constantemente algo para fazer ou analisou se já havia voltado. Se a pessoa buscou outras redes sociais, isso já serve de alerta para um possível vício. A depender do grau que isso afetou, revelando o tamanho do problema”, acrescenta.
 É preciso lembrar que a pouco tempo atrás não existia essas redes sociais e a sociedade vivia normalmente. “O que acontece hoje com o comodismo para que não consiga usar outros meios e argumentos no cotidiano, está relacionado a um cotidiano que formatou o cérebro mediante a uma dependência”, argumenta o neurocientista. Para saber se a pessoa está sofrendo deste vício, Fabiano cita algumas situações que aconteceram com muitos usuários durante este tempo em que os aplicativos ficaram fora do ar e veja se há identificação com alguma delas.
  • “Ficou parado olhando para o celular sem saber o que fazer”.
  •  “Entrava nos aplicativos constantemente para ver se havia voltado”. 
  • “Entrou em aplicativos que não costumava usar e ficou perdido”. 
  • “Sentiu agonia”. 
  • “Vazio existencial”. 
  • “Ficou impaciente e/ou irritado”. 
  • “Teve a impressão de receber uma notificação”. 
  • “Alteração de humor”. 
“Se você sentiu alguns ou muitos destes sintomas durante o dia ontem, é bom acender o sinal de alerta, pois esses sintomas têm relação com a nomofobia”, recomenda Abreu. Para piorar, há casos em que a pessoa sente tanto essa ausência que pode apresentar náuseas, sudorese, entre outros sintomas físicos.
 
Mas, o que é e o que causa a nomofobia?
 
Fabiano explica que “a nomofobia é a fobia causada pelo desconforto e/ou angústia quando o indivíduo está sem acesso à comunicação através dos aparelhos eletrônicos. No cérebro, na região dos núcleos da base trabalhando com o sistema límbico, a sensação de prazer que a liberação de dopamina promove a cada novo like ou expectativa de mensagem recebida na rede social transforma o hábito em vício, estimulando a ficar cada vez mais online buscando recompensa, aumentando a ansiedade que funciona como pendência para esta busca”.
Além disso, “a função da dopamina é fornecer um feedback positivo, uma recompensa ao organismo, que se torna uma busca constante. Isso é compensatório, já que a ansiedade por si só tende a buscar mais ou entra em uma atmosfera ruim pedindo mais recompensa. Como um ciclo intermitente e gradativo”, completa.
 
Fabiano revela que há uma diferença em quem usa as redes sociais para trabalho: "relatos de pessoas que usam a rede social para trabalho em seu cotidiano foram positivos no apagão; disseram que se sentiram aliviados e largaram seus aparelhos. Isso acontece pois nestes casos, a rede social é usada como uma obrigação profissional; quando fazemos algo por obrigação, a recompensa é quando fazemos algo fora desta obrigação. Diferente das pessoas que usam a rede social para o lazer que torna-se uma necessidade. Isso não inclui influencers, que justificam o vício da rede social como profissão, ou a produção de conteúdo na rede social passou a ser uma profissão rentável, mesmo assim, desta forma, faz parte do ciclo vicioso neste caso", finaliza o doutor. 

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Precisa de ajuda?
Atendimento
Precisa de ajuda? Fale conosco pelo Whatsapp