06/09/2021 às 14h43min - Atualizada em 06/09/2021 às 14h43min

Enoturismo da Serra Gaúcha deve atrair número ainda maior de visitantes pós-pandemia

FONTE: Viviane Somacal - Exata Comunicação e Eventos
Festa Nacional do Vinho chegará à 17ª edição em 2022/ FOTO:Augusto Tomasi

Segurança sanitária, procura pelo turismo interno e confirmação de importantes eventos tendem ao crescimento do setor nos próximos meses, afirma turismóloga
 
O desejo de conhecer novos lugares e socializar une-se à crescente segurança sanitária, consequência do andamento da vacinação contra a Covid-19, para fazer com que um dos segmentos mais atingidos durante a pandemia recupere as perspectivas otimistas para os próximos meses. O turismo aposta na flexibilização dos protocolos e na necessidade que grande parte da população tem de, literalmente, sair de casa. Na Serra Gaúcha, o potencial gastronômico e vitivinícola ganha enfoque especial a partir do crescimento do enoturismo, alicerçado em experiências personalizadas e na confirmação de importantes eventos no calendário que se desenha para 2022.
Quem conhece o setor é categórico em afirmar que as ofertas enoturísticas da região vão ao encontro do que buscam os visitantes pós-pandemia. "O enoturismo se apresenta como um dos segmentos mais procurados pelo turista, já que alia experiências de cultura autêntica, muitas vezes em contato com a natureza e com um dos produtos que cresceu muito na apreciação dos brasileiros durante a pandemia: o vinho", considera a turismóloga Ivane Maria Remus Fávero.
Mestre em turismo e com décadas de experiência nos setores público e privado do segmento, tanto nacional como internacionalmente, Ivane projeta uma retomada, que já está acontecendo, na medida em que avança o número de pessoas vacinadas e se reduzem os contágios. "Se tudo andar conforme o anunciado pelos governos, teremos um 'boom' do turismo no final do ano e no próximo verão, adianta.
Esse otimismo está baseado, de forma especial, no crescente interesse pelos destinos interioranos, como é o caso de Bento Gonçalves. "As pessoas perceberam, mais fortemente durante a pandemia, os reais valores da vida, o que realmente nos transmite bem-estar e gera felicidade. Assim, os lugares de hospitalidade verdadeira, onde se pratica o 'slow tourism', se valoriza o ambiente natural e se apresenta a cultura, são e seguirão sendo muito procurados", explica.
Um ponto extra que pode ser conferido ao enoturismo gaúcho é a capacidade de reinvenção do setor. "Alguns empreendedores se reinventaram e entenderam que a experiência turística começa no digital. Trabalharam bem seu posicionamento na internet e, ainda, inovaram nas experiências oferecidas. Alguns municípios também trabalharam bem os protocolos, reforçando a confiança do turista. Estes serão lembrados no momento da retomada das viagens", sentencia.
 
Possibilidade de criação da Zona Franca da Uva e do Vinho deve ajudar
 
Um dos tópicos que pode ter efeito real e direto no enoturismo é a criação da Zona Franca da Uva e do Vinho - que deve reduzir, em um primeiro momento, 30% o preço dos produtos do setor, segundo estimativa da Associação dos Produtores de Vinhos Finos do Vale dos Vinhedos (Aprovale). "Se houver a devida baixa no valor final do vinho para o turista que visita a região e isso for trabalhado com seriedade por empreendedores e poder público, certamente aumentará o fluxo de visitantes. É preciso planejar este crescimento, redistribuindo o fluxo, garantindo o desenvolvimento sustentável (ambiental, cultural, econômico e social) do turismo na região, no RS", aponta a turismóloga.
A expectativa é de que o projeto de lei, em tramitação hoje na Câmara, possa ser aprovado até o final do ano no Congresso Nacional e, depois, passe pela sanção presidencial. A proposta é que o regime de redução tributária adotado seja aplicado às etapas do plantio e colheita das uvas e à produção, engarrafamento e venda dos vinhos.
 
Confirmação de importantes eventos também fortalece a região
 
Uma verdadeira ode à celebração comunitária em torno do vinho é vista em eventos que simbolizam a vocação enoturística da Serra. Entre as mais evidentes do país está a Festa Nacional do Vinho, que em 2022 chegará à 17ª edição. A Fenavinho projetou o enoturismo de Bento Gonçalves e região para o Brasil e, por isso, sua confirmação representa a concretização de uma retomada sólida para o setor a partir do próximo ano. "A festa ajudou a entender que o enoturismo é muito mais do que está 'dentro da garrafa', são as vivências que o turista terá em um território vitivinícola. A retomada deste evento contribuirá para o fortalecimento da identidade enoturística da região", aposta Ivane.
Antes da festa, porém, prevista para ocorrer de 09 a 19 de junho, no Parque de Eventos de Bento Gonçalves, a Fenavinho reserva um momento icônico para os visitantes: o Vinho Encanado. Artífice da fama nacional do evento, o atrativo reúne uma programação cultural na Via del Vino, ao mesmo tempo que comercializa vinho a preços módicos diretamente de torneiras instaladas na Casa del Vino, no centro do município. O encontro ocorrerá no último trimestre do ano, adaptado ao novo momento e respeitando os protocolos sanitários.
A 17ª Fenavinho será realizada de forma concomitante à 30ª ExpoBento, dentro da Vila Típica do Parque do Eventos - um cenário que emula o casario típico do início do século 20 da região, bem como os espaços de convivência comunitária que reuniam os imigrantes em torno de cantorias e filós. O espaço reúne as mais famosas vinícolas brasileiras, onde é possível degustar alguns dos mais premiados vinhos nacionais - acompanhados de iguarias típicas da região, responsáveis por sua fama gastronômica. Shows temáticos também farão parte da programação.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Precisa de ajuda?
Atendimento
Precisa de ajuda? Fale conosco pelo Whatsapp