07/07/2021 às 14h53min - Atualizada em 07/07/2021 às 14h53min

Instagram não é mais uma rede social de fotos

Por Carol Affonso - @carolonlline
Figura meramente ilustrativa - Reprodução Google

Mirando o TikTok, Adam Mosseri, head do Instagram, disse que a rede social será voltada para o entretenimento dos usuários e o foco será em vídeo
 
O Instagram não será mais uma rede social de compartilhamento de fotos. O foco será em quatro áreas: criadores, vídeos, shopping e mensagens. O objetivo é concorrer de igual para igual com o TikTok e YouTube no mercado de vídeos curtos e marcar presença no entretenimento. O anúncio foi feito por Adam Mosseri, head do Instagram, em suas redes sociais. “O vídeo está gerando grande crescimento online para todas as plataformas, e agora, acho que é uma área em que precisamos nos esforçar mais. Não somos mais um aplicativo de compartilhamento de fotos", disse Mosseri. As mudanças, segundo ele, devem acontecer nos próximos meses.
 
O novo modelo de negócio da rede social - que ficou famosa pelo compartilhamento de imagens - mira o crescimento das plataformas de vídeos, em especial o TikTok. E não é à toa. Em 2020, o aplicativo chinês, que faz parte do conglomerado da ByteDance, foi o app mais baixado ao redor do mundo, de acordo com um levantamento realizado pela AppAnnie, empresa de consultoria. E o que isso significa? Ganhos financeiros. A ByteDance atingiu no ano passado um de seus melhores resultados ao bater a receita de US$ 34,3 bilhões. Trata-se de um aumento de 111% e o lucro bruto de 93% em relação ao ano anterior, segundo dados revelados ao The Wall Street Journal
 
Mas o campo de batalha não se restringe ao TikTok. O Kwai, aplicativo de compartilhamento de vídeos desenvolvido pela empresa chinesa Kaishou, também quer marcar forte presença mundial - e chegou a anunciar planos de aceleração de crescimento no Brasil. O YouTube lançou no ano passado o YouTube Shorts, seu rival do TikTok que permite gravação de vídeos de até 60 segundos. A novidade chegou ao Brasil há cerca de um mês. 
Com essa disputa acirrada para dominar o mercado de vídeos curtos - e para não ficar para trás - o Instagram fará essa série de mudanças estratégicas. E Mosseri deixou isso claro. “Sejamos honestos, existe competição realmente séria agora. O TikTok é imenso, o YouTube é ainda maior e existem muitas empresas começando, além delas."
 
Atualmente, o Instagram tem a ferramenta de vídeos curtos chamada Reels e, como primeiro passo para acirrar a concorrência, Mosseri disse que o aplicativo deve fazer uma série de testes e mostrar aos usuários vídeos na tela principal, incluindo contas que o usuário não segue. Trata-se de uma movimentação similar à existente hoje no TikTok.
 
Vale ressaltar também o foco da empresa no Instagram Shopping. A medida acontece em meio ao crescimento do comércio online - que foi acelerado pela pandemia de coronavírus. Apenas no Brasil, por exemplo, as vendas do e-commerce no país cresceram 44% em 2020, sendo o maior desempenho desde 2007, segundo dados da Webshoppers 43 Ebit | Nielsen & Bexs Banco. O número de perfis corporativos na rede social também impressiona: em 2019, a rede social contava com cerca de 25 milhões de perfis corporativos em todo o mundo. Com o foco nesse nicho, pode beneficiar os pequenos empreendedores e produtores.

 
 

*O Brand-News não se responsabiliza por artigos assinados por nossos colaboradores
 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Precisa de ajuda?
Atendimento
Precisa de ajuda? Fale conosco pelo Whatsapp