04/06/2021 às 15h15min - Atualizada em 04/06/2021 às 15h15min

Dia do Meio Ambiente no Vale do Café

FONTE: Luisa Avelino
Campo dos Girassóis - Jardim Uaná Etê - Foto: Diego Mendes
,
História e sustentabilidade na experiência dos visitantes
 
O café foi responsável por sustentar a economia do império brasileiro mas também foi o maior causador da exaustão do solo. A região Vale do Café (RJ), que concentrou maior produção de café no século 19, manteve diversos exemplares de belezas arquitetônicas, mas perdeu a antiga paisagem de Mata Atlântica fechada.
Para resgatar a fertilidade e beleza natural da região, negócios turísticos vêm inserindo projetos ecológicos e sustentáveis, que também atraem o público para participar e aprender sobre o assunto.
 
Entre eles está a Fazenda São Luiz da Boa Sorte, que além de promover o conhecimento da história, investe na preservação de um bem fundamental à vida: a água. A fazenda é sede do Projeto Mata D’água, inspirado na agricultura sintrópica que foi difundida no Brasil pelo suíço Ernst Götsch. O projeto consiste na recuperação das nascentes através do plantio de mudas típicas da Mata Atlântica e proteção da área, com ações desenvolvidas em parceria com técnicos e alunos da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), e da Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro (CEDAE). "As raízes das plantas penetram o solo e auxiliam na reconstrução do lençol freático, trazendo de volta seu funcionamento natural como reservatório de água", comenta Nestor Rocha, guardião da Fazenda São Luiz.
Os hóspedes da fazenda também podem participar da atividade, plantando mudas ao longo da área de proteção. Alunos de várias escolas já participaram do projeto, passando dias plantando e aprendendo a importância da manutenção da cobertura vegetal
 
Fazenda Alliança Agroecológica é uma das fazendas que mais produziu café no século 19 e optou por deixar os métodos de produção extensiva no passado. Desde que começou a ser gerida pela família Durini, a Alliança passou a ser modelo em produção sustentável e orgânica de alimentos, sem uso de pesticidas ou preparados sintéticos. O adubo é produzido na própria fazenda em pequenas "biofábricas" que funcionam em tonéis, produzindo insumos a partir de elementos naturais e subprodutos locais. Segundo o técnico responsável, Guido Carrilho, a fazenda investe na agricultura regenerativa do solo, aumento da biodiversidade e do cuidado com a água, respeitando os ciclos da natureza.
Com mais de 120 hectares de Mata Atlântica preservada, a Alliança foi pioneira na produção de búfalos orgânicos no estado do Rio. Também possui produção de hortaliças, cana, bananas e mais de 100 produtos diferentes. A mais recente produção é a de café especial, o único orgânico certificado da região. O Circuito do Café, inclusive, é o trajeto oferecido aos visitantes para conhecer o antigo caminho do café e o processo de produção atual na fazenda.
 
O café orgânico também cresce e aparece na Fazenda das Palmas, fazenda histórica que investe em sistemas agroflorestais para recuperação de áreas degradadas. O café sombreado é tido como alternativa sustentável, já que ele cresce perto de outras culturas, recebendo e fornecendo nutrientes para o sistema que existe ao seu redor.
Entre as atividades oferecidas pela fazenda estão a visita ao cafezal e workshops e oficinas ligadas a práticas agroflorestais. Sérgio Olaya, agrônomo responsável pelo desenvolvimento dessa ideia, conta que o projeto visa ampliar as áreas e colaborar com um novo modelo de agricultura para região. "Instaurar os sistemas agroecológicos, assim como ocorrem na natureza, irá beneficiar a preservação do clima, da água e dos animais, que são atrativos da nossa região", diz.
 
Quem quiser se sentir parte dessa experiência de recuperação da paisagem natural, precisa conhecer o Jardim Ecológico Uaná Etê. Antes de receber mais de 30 mil mudas, a área de 135.000 m2 havia sido destruída pela agricultura por anos. Hoje, Uaná é templo da proteção ambiental, com instalações artísticas que promovem a integração com a natureza, além de promover plantios e visitas a espaços com flores sazonais como o campo dos girassóis e das lavandas.
 
Passeios em conexão com a natureza também são a proposta do espaço Le Vélo Montagne, perto do Lago do Javary, em Miguel Pereira. Os proprietários estimulam passeios de bicicleta oferecendo estrutura para vestiário e banho dos ciclistas, além de cardápio generoso com produtos da região. "Investir no turismo ecológico é uma maneira de investir na conservação, já que esse turista traz consciência ecológica e vê projetos de reflorestamento com muito bons olhos", conta Daniel Guimarães, do Le Vélo.



SERVIÇO:
Vale do Café Rio
Os locais citados neste release fazem parte do grupo Vale do Café Rio, que existe há cinco anos para divulgação do turismo na região Vale do Café, RJ.
Instagram @valedocafe  | Facebook @valedocaferio
 
 
INTEGRANTES:
Cachaça Werneck
Cachaça especial e orgânica produzida em Rio das Flores, RJ, entregas no Rio
Contato: (24) 99298-9900 | (24) 99298-9998

Fazenda Alliança Agroecológica
Visitação ao circuito histórico e de produção do Café especial
Reservas: (24) 98807-6146

Fazenda das Palmas
Visitação, hospedagem e workshops
Contato: (21) 97634-0561

Fazenda São Luiz da Boa Sorte
Visita guiada Museu do Café e hospedagem
Reservas: (21) 99250-9798 | (21) 96823-9954 | (21) 96823-9358

Jardim Ecológico Uaná Etê
Visita e ingresso estendido para pernoite
Contato: (24) 98878-1551 (WhatsApp) | (24) 2468-1550

Le Vélo Montagne
Contato: (24) 2484-4811 | (24) 99928-6108

Hotel Santa Amália
Hospedagem, almoço e Day Use
Contato: (24) 2471-1200 | (24) 98839-8728

Vila Hibisco Pousada & Apart
Hospedagem
Contato: (24) 2491-2535 |2471-3356

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Precisa de ajuda?
Atendimento
Precisa de ajuda? Fale conosco pelo Whatsapp