22/04/2021 às 13h56min - Atualizada em 22/04/2021 às 13h56min

Instituto Histórico e Geográfico do Sul de Minas é instalado em Poços de Caldas

FONTE E FOTOS: IHGSM
António Andresen Guimarães
Entidade de fomento da preservação e pesquisa histórica, geográfica e sociocultural tem como finalidade o financiamento de projetos de pesquisa, publicação de obras e realização de eventos que promovam o debate e a divulgação da região sul-mineira
 
A Sessão Inaugural do Instituto Histórico e Geográfico do Sul de Minas, realizada via plataforma Google Meet, dia 22 de março, teve a participação dos membros do IHGSM, convidados sul-mineiros e personalidades mineiras e portuguesas. Criado em 2020 e sediado em Poços de Caldas, o IHGSM é uma entidade de fomento da preservação e pesquisa histórica, geográfica e sociocultural do Sul de Minas. Sua Casa, nomeada como ‘Casa Ouvidor Cypriano Joseph da Rocha’, homenageia o português, minhoto, barquense (1685-1746), que enquanto Ouvidor da Comarca do Rio das Mortes, fundou o Arraial de São Cypriano - cuja localidade da sede foi denominada por ele como Campo Maior, no coração da Serra da Mantiqueira, em sua derivação denominada Serra das Águas, na confluência dos afluentes da Bacia do Rio Grande, os Rios Verde e Sapucaí, onde hoje é Campanha (MG). Já o conjunto do território desse Arraial corresponde à área sobre a qual está desenhado o atual mapa das localidades (cidades e distritos) da região sul-mineira. 
Do IHGSM fazem parte como sócios efetivos, correspondentes, honorários, eméritos e beneméritos, historiadores e geógrafos com formação acadêmica nestas áreas e variadas titulações, entre elas bacharéis, licenciados, especialistas, mestres, doutores, pós-doutores com atuação em instituições de ensino superior públicas, privadas e confessionais; escolas da educação básica: públicas e privadas; órgãos públicos, secretarias e conselhos municipais; entidades do setor privado e da sociedade civil organizada, além de profissionais de outras áreas como jornalistas, médicos, engenheiros, advogados e artistas que transitam neste segmento histórico-geográfico. Em Poços, integram o Instituto o Coordenador do IMS Poços, Haroldo Paes Gessoni, entre outros.
 
PRESERVAÇÃO DOS SABERES - O discurso oficial da Sessão Inaugural foi proferido pelo presidente do IHGSM, Thiago Bittencourt, Mestre e Doutor em Literaturas Clássicas e Medievais, que ressaltou a importância do Instituto para a região Sul de Minas Gerais. “Agora contamos com uma instituição de fomento à pesquisa, à difusão e à preservação de nossa literatura, nossa história e nossa memória cultural.” Thiago explicou que o Instituto terá como finalidade o financiamento de projetos de pesquisa, publicando obras, realizando eventos que promovam o debate e a divulgação do Sul de Minas. “Ressalto que o Instituto é formado por 50 associados, entre eles pesquisadores, professores, historiadores e geógrafos, dedicados à preservação da história e da geografia de nossa região. Sem nenhum receio posso dizer que dentre todas as atividades humanas, a preservação dos saberes oriundos de nossos antepassados (suas línguas, suas histórias, suas narrativas, seus hábitos, seu folclore, sua ciência, sua religião, sua filosofia, sua gastronomia, suas expressões artísticas etc.) constitui ou deveria constituir uma tarefa vital para qualquer sociedade dita humana. Afinal, são esses saberes e práticas que constituem e moldam nosso caráter, nossos costumes e, em última instância, conformam nossa cultura. Além disso, parece não ser possível avaliar ou reavaliar os próprios valores, nem estabelecer uma compreensão do contexto no qual nos encontramos sem uma perspectiva histórico-geográfica que nos permita ter um ponto de referência, sem o qual estaremos sempre à deriva. Fomentar a pesquisa histórica e geográfica é, desse modo, fundamental para o desenvolvimento social e político de um povo em formação.”
 
O vice-prefeito de Poços de Caldas, Júlio César Freitas, após a saudação inicial, ressaltou a importância do Instituto para a região. “O Arraial de São Cypriano está em festa e essa festa ecoa pelo mundo, de Campanha estendendo para o Sul de Minas, especialmente para nós, de Poços de Caldas, que temos orgulho de fazer parte dessa história e sediar o Instituto Histórico e Geográfico do Sul de Minas”.
 
O Presidente da Câmara Municipal de Ponte da Barca, em Portugal, Augusto Marinho, falou em seguida, cumprimentando os presentes, em especial os sul-mineiros, em nome de toda a população de Ponte da Barca. “Conhecer a nossa história é o primeiro passo para nos conhecer a nós próprios e a nós, enquanto sociedade, necessitamos fortalecer esses laços com a história, esses laços com o futuro”, disse.
 
O discurso de honra foi proferido por António Andresen Guimarães, autor do ensaio biográfico “Ouvidor Cypriano Joseph da Rocha: Relato de uma vida entre Portugal e o Brasil na Idade do Ouro”, que pontuou: “A minha abordagem será um pouco diferente, mais pessoal, como descendente do ouvidor Cypriano Joseph da Rocha. Ao atribuir o nome de Casa Cypriano Joseph da Rocha, o Instituto Histórico e Geográfico do Sul de Minas faz do ouvidor da comarca do Rio das Mortes e autor das célebres Cartas que justamente são consideradas a certidão de baptismo do Sul de Minas, o seu patrono”.
 
IDEIA RETOMADA - A ideia da criação de sodalícios culturais (históricos, geográficos, genealógicos, artísticos, literários) sul-mineiros - envolvendo todos os quadrantes da Serra da Mantiqueira e da Bacia do Rio Grande - vem sendo acalentada há muito tempo. A partir do encontro, em meados de 2019, entre sul-mineiros e António Andresen Guimarães, a ideia foi retomada. Durante as tratativas para o lançamento desta obra no Brasil, com o encontro entre integrantes do setor público, privado e da sociedade civil organizada, tanto mineiros, cariocas, fluminenses, paulistas, paulistanos, como de outras regiões do Brasil e do exterior, a ideia foi amadurecida.  
E da interação destes grupos de netos bis, tris, tetra, penta e hexanetos de historiadores, geógrafos, memorialistas, municipalistas e genealogistas sul-mineiros, a ideia foi materializada, sendo seus patronos selecionados.
 
SUCESSORES - Os institutos históricos e geográficos no Brasil foram as principais agremiações brasileiras voltadas para a memória, pesquisa, difusão do conhecimento acerca da história e geografia do país, organização e manutenção de acervos históricos. Eles são sucessores das primeiras academias literárias e científicas brasileiras surgidas a partir do século XVIII, como por exemplo, a Academia Brasílica dos Esquecidos, a Academia Brasílica dos Renascidos e a Academia Científica do Rio de Janeiro.


 
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Precisa de ajuda?
Atendimento
Precisa de ajuda? Fale conosco pelo Whatsapp